quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Um relógio ao doente

"Um confrade presenteou o Chico com um belo relógio de pulso. Aceitou-o, porque o confrade insistiu muito. Andou vários dias com ele, admirando-lhe a pontualidade. Mas um dia, a caminho do serviço, lembrou-se de saber, rapidamente, como ia dona Glória, a quem na véspera dera um passe e para quem Bezerra receitara uns remédios homeopáticos.

- Então, está melhor, dona Glória? Tomou pontualmente os remédios?

_ Um pouco melhor, Chico. Só não tenho tomado os remédios com pontualidade, porque, como você sabe, sou pobre e ainda não pude comprar um relógio...

- Por isto não.

E tirando do pulso o relógio que ganhara, disse-lhe sem mais delongas:

- Fique com este como lembrança.

E deixando a irmã surpresa e emocionada, o médium partiu, dizendo-lhe na costumeira despedida:

- Fique com Deus ! Deus a proteja ! Como a senhora está precisando do relógio, esse deve ser seu."

(Ramiro Gama - Lindos casos de Chico Xavier)

Nenhum comentário:

Postar um comentário